VIVÊNCIA DE PAIS ATÍPICOS
338
post-template-default,single,single-post,postid-338,single-format-standard,bridge-core-2.2.6,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-21.3,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive

VIVÊNCIA DE PAIS ATÍPICOS

A maternidade e paternidade de pais atípicos são diferentes do que estamos acostumados a encontrar. A vivencia delas, de modo geral, é composta por experiências difíceis e complexas. Experiências essas, acompanhadas da sobrecarga que ocorre devido a soma de responsabilidades das rotinas de tratamentos dos filhos, das demandas domesticas, de questões financeiras e das atividades particulares e profissionais.

Neste cenário, o autocuidado acaba sendo esquecido pelos pais de crianças com TEA.

Um fator importante a destacar é a necessidade de readequação de papéis e novos posicionamentos dos homens-pais nos contextos familiares. A mudança na posição paterna pode ser a possibilidade da diminuição do estresse e da sobrecarga existente no universo materno, e consequentemente no universo paterno, pois, em alguns casos, os pais desempenham papel de apoio às mães diante da condição do filho, passando a não preocupar-se consigo. Havendo uma elevada preocupação com as esposas e seus sentimentos sobre a criança. A sobrecarga normalmente é um fator constante para as famílias com TEA, por isso, pode ocorrer uma naturalização. É importante a conscientização do papel da sociedade na vivencia desses pais e no enfrentamento dos desafios com a chegada do diagnóstico.



Fale Conosco pelo WhatsApp